Ser Mãe de 3 ou ser Mãe 3 vezes

Eis a questão!

13419059_1605541293093427_432036971732531507_n

Ser boa mãe não é ser uma mãe igual para cada filho e não é amá-los da mesma forma, é amá-los do jeito que cada um precisa. E eu amo-os infinitamente… do meu jeito.

Passei a ser mãe de 3 quando soube que estava grávida da Anoek, mas foi quando ela nasceu que me tornei mãe 3 vezes. Sou mãe dos meus 3 filhos, mas acima de tudo sou mãe de cada um deles, e sou uma mãe diferente para cada um deles. Gosto deles de maneira diferente (porque também eles são diferentes, têm idades diferentes e exigências diferentes)…

Aprendemos a gerir o caos, esperando que aos poucos o caos seja menos caótico

Mas gosto dos 3 do mesmo tamanho, do tamanho do que não se pode medir. Não divido o meu amor por 3 filhos, multiplico por nós todos cá em casa. O amor (e a confusão :p) é contagiante, e cá em casa fazemos questão que seja contagiado, partilhado, multiplicado por nós, todos os dias. E engane-se quem lê e pensa que os nossos dias são perfeitos e que tudo tem sido muito fácil de gerir… Não é e vai continuar a não ser fácil… e ainda assim é tão bom e não trocava por nada….

Aprendemos a gerir o caos, esperando que aos poucos o caos seja menos caótico, com muito amor e alguns (muitos) gritos à mistura (já mencionei a gritaria?). Ainda ontem me fui deitar com os ouvidos ligeiramente dormentes… Depois de ter tentado ver o Voice Holland (sim, porque ouvir era pedir muito), com a Anoek a dormir nos meus braços (nada incomodada com o que se passava à volta dela) e os irmãos a correrem um atrás do outros em volta da mesa de jantar, e falta dizer que corriam a empurrar carros e andarilhos (ainda consigo ouvir o ruído e para não me esquecer tenho as marcas no chão…) sim a culpa é minha porque não devia permitir que corressem e brincassem com carros em casa, mas vou permitindo e aceito as consequências disso… cada marca é uma memória e algumas um “murro” no estômago (como a parede da sala martelada pelo Liam com um martelo de madeira).

E.. às vezes há dias mais calmos, ou melhor, menos caóticos, nem que seja quando estamos apenas as duas sozinhas em casa… porque quando os manos chegam… a explosão acontece. E… ainda assim… não trocava este caos por nada!!!! Um caos a transbordar de amor… Os meus amores!

Autor: tatimarga

Sou uma pessoa em construção, que acredita que o que realmente importa na vida é ser feliz (e fazer os outros felizes). Já fui investigadora, já trabalhei num banco (não gostei) e agora decidi fazer aquilo que realmente gosto - explorar o meu lado criativo. Sou designer de padrões e escrevo. Escrevi o livro "o menino e a gaivota" e escrevo os textos para este blog. Mas, aquilo que me tem ajudado a conhecer melhor como pessoa é a maternidade. Sou mãe de 3 pessoas (fantásticas!) em construção: O Liam, o Noah e a Anoek. Eles são o meu projeto mais importante e mais ambicioso e aquele que provavelmente tem e terá mais impacto no mundo. Cada um deles influencia e vai influenciar a vida dos que os rodeiam e por isso guiá-los para serem boas pessoas é uma tarefa muito especial e muito importante. Através deles e através de mim quero fazer a diferença todos os dias!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s